25ª Festa Ibérica da Olaria e do Barro, é “exemplificativa de tudo o que se passou durante este quarto de século”, diz José Calixto (c/som e fotos)

Até ao próximo dia 26 de Maio, a localidade de São Pedro do Corval, no concelho de Reguengos de Monsaraz, recebe a 25ª edição da Festa Ibérica da Olaria e do Barro

Um quarto de século depois da primeira edição, os centros oleiros de S. Pedro do Corval e de Salvatierra de los Barros, na província de Badajoz (Espanha), continuam a juntar-se anualmente para mostrar a sua arte neste evento transfronteiriço de promoção cultural e turística da olaria.

A 25ª Festa Ibérica da Olaria e do Barro vai ter a participação de 66 olarias e ceramistas de Portugal e de Espanha. O Centro Oleiro de S. Pedro do Corval terá 21 olarias no certame e o de Salvatierra de los Barros contará com 10 expositores.

Cerâmicas com uma grande mostra da diversidade que temos em Portugal

ODigital.pt esteve presente na cerimónia de inauguração e falou com José Calixto, Presidente da Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, que começou por referir que esta festa é “uma edição comemorativa dos 25 anos, com três exposições que temos aqui”, explicando que “uma a comemorar os 25 anos e exemplificativa de tudo o que se passou durante este quarto de século; uma exposição da Associação Nacional de Municípios, Cidades e Vilas cerâmicas com uma grande mostra da diversidade que temos em Portugal no que tem a ver com a cerâmica, a olaria, com a decoração das peças de olaria, que também está aqui presente num circuito que depois irá decorrer todo o país; uma exposição muito interessante na parte mais rústica, desta casa do barro, junto dos fornos a lenha, com um conjunto de peças, algumas com 400 anos, que exemplificam aquilo que era a produção em olarias que já não estão a funcionar, e portanto é um pouco da história da preservação da olaria nos dois lados da fronteira.”

Num fim-de-semana em que Reguengos está cheio por vários motivos

José Calixto destaca que “esta festa ibérica vem na sequência de um conjunto de actividades que ao longo dos anos se foram consolidando. Temos este ano quase 70 expositores, é um número muito interessante num fim-de-semana em que Reguengos está cheio por vários motivos de pessoas que vêm à Baja TT Reguengos- Capital dos Vinhos de Portugal, e portanto penso que estão criadas todas as condições, até o tempo, para que possa ser uma grande festa ibérica.”

Passo seguinte, obviamente, a certificação dos oleiros e dos métodos tradicionais da olaria

Na cerimónia de abertura muito se falou na inscrição da Olaria de S. Pedro do Corval no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, tendo o autarca adiantado que “esse é um primeiro passo para futuros reconhecimentos internacionais. Portanto fazermos as coisas com pés e cabeça, para que quando seja necessário apresentar um projecto à Unesco, ele seja devidamente consolidado na matriz do património cultural imaterial que penso ser a segunda forma da olaria, a seguir a Bisalhães, que vai ser registada nessa matriz e que nos garante também todo o reconhecimento que temos sobre a olaria de São Pedro do Corval que fica devidamente registado. Passo seguinte, obviamente, a certificação dos oleiros e dos métodos tradicionais da olaria que pretende também dar sustentabilidade à olaria criando valor e um selo que torne mais acessível a aquisição por parte dos clientes.”