“Acho que é mais por desconhecimento que eles [médicos] não se fixam na nossa região”, diz Presidente da ARS Alentejo (c/som)

Na passada sexta-feira, 27 de Dezembro, celebraram-se os 45 anos do Hospital Distrital de Portalegre, agora chamado de Dr. José Maria Grande.

Presente na cerimónia de comemoração do aniversário esteve José Robalo, presidente do Conselho Directivo da Administração Regional de Saúde do Alentejo, que falou a’ ODigital.pt sobre o estado do sistema de saúde no Alto Alentejo, começado por falar “em termos de enfermagem está relativamente bem. A dificuldade tem haver com aquilo que é conhecido que é a fixação dos médicos nesta região. Os médicos, abrimos 2 concursos anuais, com vagas para o norte alentejano, como para outros espaços do país, mas por norma essas vagas não são preenchidas.”

José Robalo salienta que, o facto das vagas não serem preenchidas “significa que os médicos ainda têm outras alternativas que lhes permitem escolher outros espaços e não estes espaços do interior, que provavelmente não conhecem, que é esse o meu entendimento. Porque a qualidade de vida aqui não se compara, em nada, com aquilo que são os grandes centros urbanos. E portanto acho que é mais por desconhecimento que eles não se fixam na nossa região.”

Questionado sobre se um dos motivos se prende com as condições de trabalho, o presidente do Conselho Directivo da Administração Regional de Saúde do Alentejo afirma que no Alentejo “as condições são  melhores”, acrescentando que “continuamos a ter grande dificuldade na fixação dos profissionais, o que muitas vezes limita a nossa intervenção, para aquilo que gostaríamos de prestar à população.”

Recomendado