Agravou-se a seca no Alentejo, no 7º Maio mais quente desde 1931

De acordo com o Boletim Climatológico emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera, o mês de maio de 2019 em Portugal continental classificou-se como muito quente em relação à temperatura do ar e extremamente seco em relação à precipitação.

Maio de 2019 foi o 7º mais quente desde 1931 e o 4º mais quente desde 2000 (mais quente em 2011).

Ainda segundo o mesmo documento, o valor médio da temperatura média do ar, 18.11 °C, foi superior ao normal com um desvio de +2.38 °C. O valor médio da temperatura máxima do ar, 25.09 °C, foi muito superior ao valor normal +4.13 °C, sendo ao 2º valor mais alto desde 1931 (mais alto em 2015).

No referido boletim, pode ainda ler-se que, nos dias 30  e  31  de  maio  foram  ultrapassados  os  anteriores  maiores  valores  da temperatura máxima do ar nas estações meteorológicas do litoral, nomeadamente e Viana do Castelo, Cabo Raso, Setúbal, Sines. 

No final do mês verificou-se, em relação ao final de abril, uma diminuição significativa dos valores de percentagem de água no solo em todo o território, sendo de destacar as regiões do interior Norte e Centro, a região de Vale do Tejo, o Alentejo e o Algarve com valores inferiores a 20% e, em alguns locais, muito próximos do ponto de emurchecimento permanente

De acordo com o índice PDSI, em relação ao final de abril, verificou-se no final de maio um aumento da área em seca meteorológica e da sua intensidade, sendo de realçar a região Sul nas classes de seca severa a extrema.