“Alentejo é uma marca muito forte e não há aqui lugar para pequenas marcas, para pequenos territórios”, disse Ceia da Silva no final roteiro pela região(c/som)

Várias ofertas diferenciadoras e alguns dos muitos projetos inovadores que estão a ser implementados pela Entidade Regional de Turismo (ERT) do Alentejo e Ribatejo, em parceria com agentes públicos e privados, integraram o roteiro, que terminou hoje, da Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques.

Um roteiro que começou no concelho da Chamusca, passou por Gavião, Alter do Chão, Montemor-o-Novo, Évora e terminou em Alcácer do Sal.

Em declarações ao ODigital.pt, António Ceia da Silva, Presidente da Entidade regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, fez o balanço deste roteiro, começando por dizer que “tratou-se de uma iniciativa fantástica, em que principalmente o governo responsável por esta área tivesse ocasião de ver in loco no terreno uma série de projectos que temos em execução”, acrescentando que “é mais fácil ver no terreno do que ver num gabinete, foi muito prestável a Secretária de Estado do Turismo, quero também registar isso, como todos os autarcas. Houve uma grande mobilização.”

Ceia da Silva fez um pequeno relato do que se passou, dizendo que “começámos no cicling no Arrepiado que é um porjecto único, inovador e em rede com centros de BTT e cicling. Depois fomos ao walking que conta com 157 percursos no Gavião, depois fomos ver as obras de um glamping no Gavião, depois fomos a Alter ver um projecto Revive que está quase concluído do grupo Vila Galé que é um hotel 4 estrelas e portanto ela também viu as obras e respectiva execução. Estivemos em Estremoz, estivemos em Montemor-o-Novo na apresentação de um projecto de turismo literário também em rede-inédito em Portugal e muitíssimo relevante, tivemos em Évora oportunidade de apresentar rede de museus de Évora, também projecto inédito em Portugal e que vai ser replicado noutras localidades e que é de facto fantástico”, salientando ainda que “acabámos por apresentar as Rotas de Turismo Cultural e visitar em Alcácer 3 novas unidades hoteleiras Vale do Gaio, o Palácio do Sal e aqui a Barrosinha. Repare cinco unidades hoteleiras em curso, cinco unidades hoteleiras de qualidade, um aumento na procura, muitos projectos no terreno, estruturação de produto, a questão da sustentabilidade, a questão muito importante para nós da certificação, portanto eu diria que a Secretária de Estado do Turismo foi aqui com uma imagem plena de porque é que o Alentejo é a região que mais sobe no país.”

Questionado se a dinâmica registada pelo Alentejo a nível turístico está relacionada com a qualidade e com a diferenciação dos produtos turísticos que vão sendo apresentados pela região, Ceia da Silva foi premptório e disse que “não há diferenciação, as outras regiões também os têm. Só que nós estruturamos, a diferença é essa”, acrescentando que “o trabalho no terreno é estruturar, é ir para o território, falar com as autarquias, com os agentes, empresários, fazer um trabalho de sapa que muitas vezes é difícil, mas que tem de ser feito todos os dias.”

Nesta visita muito se falou no trabalho em rede que tem sido feito no Alentejo, sendo que sobre este aspecto o Presidente da Entidade Regional de Turismo salientou que “não há outra forma de trabalhar, nós trabalhamos assim. O Cicling é um projecto conjunto com as autarquias, assim como o autocaravanismo, o turismo literário, ou seja, tem de haver marcas, tem que haver força, estratégias regionais e o Alentejo é uma marca muito forte e não há aqui lugar para pequenas marcas, para pequenos territórios e isso é muito evidente na forma como o Alentejo tem trabalhado ao longo destes anos.”

Questionado se durante esta visita tinha sido lançado algum desafio à Secretária de Estado do Turismo, Ceia da Silva afirmou que “não lançamos desafios, foi mais uma visita cordial, foi no sentido da Secretária de Estado poder ver no terreno aquilo que nos estamos a fazer e quem faz e quem trabalho vai ter sempre o seu mérito e a sua recompensa.”

O mais visto