Alentejo Mini Maker Fare: Um evento para estimular “o espírito inovador, empreendedor e criativo da região” refere Alexandra Correia na inauguração (c/som e fotos)

Nos dias 10 e 11 de Maio a Arena de Évora recebe o evento “Alentejo Mini Maker Fare”, que junta um conjunto de pessoas que gostam de aprender e partilhar o que fazem. De engenheiros a artistas, de cientistas a artesãos, a Maker Faire um local para esses “makers” mostrarem os passatempos, experiências e projectos.

Este evento é promovido pela ADRAL – Agência de Desenvolvimento Regional do Alentejo, que conta com um conjunto de parceiros.

ODigital.pt esteve presente neste evento e falou com Alexandra Correia da ADRAL, que começou por referir que “o Alentejo Mini Maker Fare é um evento que tenta juntar em convívio um conjunto de makers, nós chamamos makers mas são pessoas que inventa, criam e que são empreendedoras”, acrescentando que “a ideia é juntar um pouco o tradicional com o inovador e o tecnológico, que são três características importantes e associando tudo isto ao empreendedorismo.”

A maker fare é um evento que está incluindo dentro de um evento que é speed talento, acelerador de talentos, que envolve um conjunto de entidades na região que todas as elas promovem o empreendedorismo e a inovação, que são elas Parque de Ciência e Tecnologia, que é quem coordena, temos a ADRA, que é quem organiza este evento, a Universidade de Évora, os três Politécnicos de Beja, Santarém e Portalegre, o Sines Tecnopolo, o NERE, a ANJE, são uma rede de nove parceiros que trabalham em conjunto nesse sentido”, acrescentou Alexandra Correia

A representante da ADRAL, explica que “nós aqui convidamos entidades e makers, para além dos makres que podem ser pessoas que tem um hobbie para desenvolver um produto ou uma actividade, mas também temos algumas organizações que trabalham com makers como os FabLabs, nós temos o FabLab de Évora que está integrado no EvoraTec, que é uma incubadora de base tecnologia, e temos cá também como convidados o FabLab do Porto, de Benfica, de Aveiro e da Extremadura Espanhola, portanto são tudo espaços que desenvolvem com empresas, com escolas e com a comunidade em geral a promoção da inovação e das tecnologias, são uma espécie de oficinas que têm máquinas inovadoras, e uma das características interessante é que é uma rede aberta, qualquer pessoas pode dirigisse a um FabLab marcar uma hora e testar a sua ideia.”

Questionada sobre as expectativas para o evento e para o pós-evento, Alexandra Correia diz que “neste evento o que pretendemos é que as pessoas venham ver, nós organizamos vários workshops, temos várias escolas que vêm cá visitar e vamos ter um conjunto de apresentações, vamos ter concursos e o objectivo último é estimular na população que nos visitam, que estimule o espírito inovador, empreendedor e criativo da região e é por aí que contribuímos para o desenvolvimento regional”.