Alentejo: Setor dos Vinhos utilizou mais de 1,5 M€, dos 18 M€ disponibilizados pelo Governo no âmbito da COVID-19

Como noticiámos, o Ministério da Agricultura, no âmbito dos impactos causados pela Covid-19, definiu um pacote de medidas de crise para apoio ao setor dos vinhos, no valor de 18 milhões de euros. Deste valor, 12 milhões de euros destinaram-se à destilação de vinho e 6 milhões de euros para o armazenamento.

De acordo com a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, “os resultados consolidados das medidas de crise adotadas demonstram uma boa adesão por parte dos produtores nacionais. Pelo facto de não se ter esgotado a dotação total de 18 milhões de euros, não houve, assim, necessidade de rateio, tendo-se conseguido uma maior flexibilidade nos instrumentos financeiros que o Governo colocou à disposição do setor”.

O montante global apurado foi de cerca de 11 milhões de euros: 2.600 milhões de euros para o apoio ao armazenamento e 8.400 milhões de euros para a destilação de crise.

Maria do Céu Antunes salientou ainda que “foi fundamental dar resposta às necessidades do setor, operacionalizando, com celeridade e em diálogo permanente, os mecanismos de apoio previstos, permitindo aos operadores planear a vindima e gerir adequadamente os seus stocks. Isto tendo sempre em vista garantir apoio a um regresso gradual a uma situação normal de mercado”.

Segundo os dados do Ministério da Agricultura, o montante global final destinado às medidas excecionais de apoio ao setor vitivinícola foi de cerca de 11 milhões de euros: 2600 milhões de euros para o apoio ao armazenamento e 8.400 milhões de euros para a destilação de crise.

A região do Douro liderou na adesão às medidas, quer na destilação, quer no armazenamento. Assim os produtores do Douro vão receber mais de 732 mil euros para armazenamento e 3,230 milhões de euros para destilação de vinhos.

Segue-se, na medida de destilação, o Minho (1.960 milhões de euros), o Alentejo (com mais de um milhão de euros) e Terras da Beira (1.054 milhões de euros).

Em relação à medida de armazenamento aderiram 285 produtos, com destaque, para além do Douro, do Alentejo (538 mil euros), Lisboa (234 mil euros), Beira Atlântico (202 mil euros), Tejo (198 mil euros) e Dão (190 mil euros).