Barragem da Vigia é “seguramente, uma das barragens mais problemáticas neste momento”, diz Luis Bulhão Martins

O  presidente da Associação de Beneficiários da Obra da Vigia, Luís Bulhão Martins, em declarações à Lusa assumiu que a Barragem da Vigia é “seguramente, uma das barragens mais problemáticas neste momento”.

Assume que “nós estamos mal” e que “talvez 2019″ seja “o ano mais grave do perímetro de rega da Vigia desde sempre”, acrescentando que este ano deve ser o ano em que os regantes começaram a campanha “com o nível de água mais baixo” e aquele em que chegam ao fim da época “com o nível da água também mais baixo”. Diz que a albufeira está a “a 10% da sua capacidade”.

Para se ter noção da gravidade do problema, a barragem “leva 17 milhões de metros cúbicos” de água e “está com 1,7 milhões”, sendo que, destes 10%, “cerca de 4% são úteis e os outros 6% são o chamado volume morto” do qual “é impossível extrair água”, exemplificou.

Estes 4% correspondem a “400 ou 500 mil metros cúbicos”, a associação de regantes está no ponto que preconizou para esta altura do ano, aquando da programação da campanha de rega das culturas de primavera/verão. Ou seja, “No fundo, é uma pequenina folga de segurança depois de um verão extremamente seco e longo”. Quanto a prejuízos afirma que “seguramente, supera um milhão de euros”.