Bombeiros do distrito de Évora receberam fatos de protecção para combater a pandemia até ao final do ano (c/som e fotos)

Os Bombeiros Voluntários do distrito de Évora, esta quarta-feira (20 de Maio), receberam 450 fatos de protecção, para serem utilizados no combate à pandemia da Covid-19.

Equipamentos de protecção individual doados pela Caixa de Crédito Agrícola do Alentejo Central, que assim dotou os soldados da paz com factos até ao final do ano.

A entrega ocorreu nas instalações dos Bombeiros Voluntários de Évora, onde marcaram presença o presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora, Inácio Esperança, o presidente do Conselho de Administração do Crédito Agrícola do Alentejo Central, José Tirapicos, bem como representantes de várias corporações do distrito.

Em declarações ao ODigital.pt, o presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Évora, Inácio Esperança, explica que esta “é a terceira ou quarta entrega de equipamentos que fazemos para os bombeiros do distrito, com o apoio da Caixa Agrícola do Alentejo Central”, acrescentando que “no total de apoios, ronda os 15 mil euros, sendo que os fatos que entregamos agora, ronda os 12 mil euros e já tinha havido, também suportados pela Caixa, máscaras no valor de mais de 3 mil euros.”

Inácio Esperança realça que este é “um apoio substancial aos Bombeiros do Distrito, que se iniciou logo na primeira semana da pandemia, durante o mês de Março e o mês de Abril, sempre com o apoio e repostas positivas por parte da Caixa Agrícola”.

Concretamente sobre os equipamentos entregues, o Presidente da Federação diz que “hoje vão ser entregues 450 fatos, de um total de 600 que adquirimos, factos integrais, reutilizáveis, daqueles que dão para 50 lavagens, portanto ficamos com as corporações em termos de protecção, em termos de factos, para um ano”, concluindo que “todos os dias gastamos muitos equipamentos de protecção individual (EPI), porque na abordagem às vitimas temos de ir com EPI e este fatos poupam-nos muito dinheiro e protegem-nos.”

Por sua vez José Tirapicos Nunes, presidente do Conselho de Administração do Crédito Agrícola do Alentejo Central, explica que este apoio surge porque “é de todo o interesse o bem estar das populações, fizemos isso em relação à oferta de ventilador para o hospital e em relação aos bombeiros, já foi uma primeira remessa e esta será a ultima remessa de protecção, porque temos todo o interesse, não só para eles, mas também para as populações que eles servem que no fundo são também os nosso próximos e nestas alturas de crise é uma das nossas funções apoiar todas as pessoas.”

José Tirapicos Nunes diz que “estes equipamentos de hoje, são materiais reutilizáveis e podem ser lavados, têm essa vantagem até em termos ambientais, eles vão reutilizá-los, aparentemente darão pelo menos 50 utilizações e lavagens, pensamos que foi uma boa aposta que fizeram.”

Sobre esta política de apoio social da Caixa de Crédito Agrícola do Alentejo Central, o Presidente do Conselho de Administração, refere que no que concerne a ajudas, já foi prestado apoio ao “hospital, na altura havia dificuldades e nós decidimos de imediato oferecer um ventilador ao hospital, também escolhido pelo hospital. E estamos também a apoiar através de todas as moratórias, vamos apoiado dentro daquilo que é possível, se bem que também estamos a viver momentos críticos para a banca, todas as moratórias não deixam de ser uma quebra de rendimentos que vai ser desfasada no tempo por muito tempo, mas não deixamos de apoiar o máximo possível.”

O mais visto