Campo Maior: Ministra da Cultura visitou castelo e lançou desafio de criação de rede cultural na região (c/som e fotos)

Como já noticiamos, a Ministra da Cultura, Graça Fonseca, dedicou dois dias ao Alentejo, tendo passado por Montemor-o-Novo e Évora, no primeiro dia.
Já o segundo dia um dos pontos de visita, de Graça Fonseca, foram as obras de recuperação e conservação do Castelo de Campo Maior.
Uma visita onde a Governante teve oportunidade de observar como foi a reabilitação de um espaço que estava em degradação e que ganha agora uma nova vida.
Em declarações aos Jornalistas, a Ministra da Cultura afirmou que esta obra “é um extraordinário investimento que foi aqui feito e é extraordinária a recuperação deste espaço, não só pela sua importância enquanto património cultural e aquilo que representa aqui para Campo Maior e para a região, mas também as oportunidades que este espaço abre para a programação cultural”, referindo ainda que “aqui a zona onde estamos, será uma zona na qual poderemos estar sentados a ouvir música, ver teatro, portanto é importante que consigamos fazer este cruzamento entre património e programação cultural.”
Graça Fonseca aproveitou esta visita para lançar um desafio ao autarca local, sugerido a existência de “uma articulação entre este castelo e o Forte da Graça, em Elvas, para por exemplo, poder fazer-se programação cultural em rede e existir aqui esta capacidade cultural que me parece que pode ser Âncora deste território.”


Por sua vez o Presidente da Câmara Municipal de Campo Maior, João Muacho, afirmou que “as obras continuam a correr a bom ritmo, apesar das contingências que aconteceram nos últimos meses e tudo indica que dentro de um mês e meio ou dois, estes espaços estejam, em termos de obra, fisicamente disponíveis para o público”.
O Autarca salientou que “no global, prevê-se que a obra possa estar concluída em Agosto/ Setembro. A partir de Outubro penso que já todos poderão usufruir deste espaço.”
“Deixo já o convite. Não só aos campomaiorenses mas para todos da nossa região e do país que nos possam visitar esse espaço e desfrutar desse património em que Campo Maior investiu nos últimos anos na recuperação do património abaluartado de forma a oferecer aos campomaiorenses e a quem nos visita algo diferente. Isto é uma obra que se reflecte em torno dos 5 milhões e 200 mil euros, co-financiada pela UE através do Alentejo 2020 FEDER e só assim seria possível”, concluiu o edil.


Fique de seguida com algumas imagens desta visita:

O mais visto