Candidatura das Fortalezas Abaluartadas de Marvão, Elvas, Almeida e Valença entregue em Dezembro

Os municípios de Almeida, Marvão, Valença e Elvas entregarão em Dezembro a candidatura conjunta das Fortalezas Abaluartadas da Raia a Património Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO).

Esta decisão foi anunciada na passada quinta-feira, tendo o presidente da câmara municipal de Almeida, António José Machado, dito que “A última reunião que tivemos com o presidente da UNESCO em Portugal foi nesse sentido, de que iríamos apresentar a candidatura a meio [do mês] de Dezembro”, em declarações à Lusa.

Acrescentou ainda de que o documento a entregar na presidência portuguesa da UNESCO já contém “justificação do valor” e o “plano de gestão do bem”.

O autarca referiu que a candidatura foi iniciada pelos municípios de Valença, Almeida, Marvão e Elvas, mas é aberta a outros municípios da fronteira de Portugal e Espanha, que poderão associar-se após a aprovação pela UNESCO. Por isso, o autarca fez, na quinta-feira, o convite ao Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo (Espanha), para que, numa fase posterior, “possa entrar na candidatura”.

O responsável adiantou ainda que após a avaliação da comissão portuguesa da UNESCO, o processo será avaliado em Paris, na sede daquele organismo. Segundo o autarca, os quatro municípios promotores acreditam que a candidatura conjunta das Fortalezas Abaluartadas da Raia tem “um âmbito tal” que justifica a sua classificação como Património Mundial.

Em 2016, os municípios de Almeida, Marvão, Valença e Elvas entregaram na Comissão Nacional da UNESCO, em Lisboa, a ficha de inscrição das Fortalezas Abaluartadas da Raia na Lista Indicativa de Portugal a Património Mundial. O património abrangido na candidatura abarca “exemplares únicos da arquitetura militar dos séculos XVII e XVIII, a par do valor intangível da paz e do relacionamento entre os povos”.

Naquela data, as autarquias envolvidas no processo justificaram que com a integração do património de Elvas (declarado Património Mundial em 2012) nesta candidatura, a mesma ganhava “uma nova consistência, através do contributo de Almeida, Marvão e Valença, exemplares excecionais que, em conjunto, definem um sentido universal do génio humano, na sua dimensão tangível e intangível”.

As autarquias comprometeram-se “a prosseguir os esforços para o sucesso da conclusão do processo de classificação pela UNESCO, como Património Mundial, da Série Internacional dos Bens das ‘Fortalezas Abaluartadas da Raia'”.

Recomendado