Capoulas Santos “satisfeito e sensibilizado” com homenagem em Reguengos de Monsaraz, porque “não é muito comum os políticos serem homenageados” (c/som)

O Auditório Municipal de Reguengos de Monsaraz foi o palco para a cerimónia comemorativa do 15.º aniversário da elevação de Reguengos de Monsaraz à categoria administrativa de cidade.

Nesta cerimónia foi homenageado Luís Capoulas Santos, que recebeu as Chaves do Município de Reguengos de Monsaraz, por tudo o que tem feito em prol do município e em valorização deste território.

Em declarações ao ODigital.pt, Luís Capoulas Santos conta que se sente “naturalmente satisfeito e sensibilizado, porque nos tempos que correm não é muito comum os políticos serem homenageados, muito pelo contrário, mas interpreto este gesto como um gesto de simpatia para com o município e um conjunto de autarcas pelos quais sempre trabalhei como aliás fiz com muitos outros por todo o pais fora na procura de soluções que permitam melhorar as condições de vida quer do nosso sector agrícola, onde estive mais ligado durante mais tempo quer do nível e das qualidades de vida das populações em geral”.

O ex-ministro da agricultura refere ainda que “o concelho de Reguengos de Monsaraz tem para mim um significado muito especial porque foi aqui que comecei a trabalhar, foi aqui que tropecei no 25 de Abril, foi aqui que mantive muitas ligações e sendo um concelho com uma forte componente agrícola, que tem vindo ano após ano a sedimentar essa posição”.

Capoulas Santos disse-nos ainda que no concelho de Reguengos teve a “oportunidade de trabalhar quer com a adega que fez vários e importantes investimentos, que se transformou numa grande empresa, num grande exportador, mesmo algumas empresas privadas, o Esporão por exemplo, eu era director do centro da reforma agrária quando tive que tomar a decisão entre continua a plantação de vinha que tinha sido efectuada num momento conturbado das ocupações e das desocupações de terras, enfim, sempre estive muito ligado, mais recentemente estive ligado à decisão que irá permitir fazer um grande investimento na irrigação da vinha, porque é um problema hoje, com grande acuidade porque de facto o recurso água é cada vez mais escasso e a competitividade da agricultura exige-o, estive também a felicidade de estar ligado à elevação da cidade.”

O agora Deputado eleito pelo Círculo de Évora, destaca o facto de ter sido “o autor do projecto de lei que acabou por ser aprovado a 9 de Dezembro de 2004 e, portanto trabalhei muito proximamente com a autarquia presidida por Vítor Martelo, e, acho que foi uma distinção simbólica e um prémio que justamente reconheceu um concelho que tinha feito um grande progresso na economia, na sociedade, nos anos sobretudo depois do 25 de Abril, estou naturalmente satisfeito e reconhecido ao município por esta homenagem que nos foi prestada”.

Recomendado