Central solar no Alandroal irá produzir “um pouco mais do que o consumo do concelho”, diz investidor no lançamento da obra (c/som e fotos)

Decorreu esta quarta-feira, 10 de Julho, no Alandroal, o lançamento da obra de construção de uma Central Solar Fotovoltaica, que resulta de um investimento privado de 13 milhões de euros.

A cerimónia contou com a presença do Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Matos Fernandes, do Secretário de Estado da Transição Energética, João Galamba, o Presidente da Câmara Municipal de Alandroal, João Grilo, o Presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo, Roberto Grilo, entre outras entidades regionais e outros autarcas da região.

Este projecto irá ser desenvolvido pela Sociedade Solar do Freixial, terá mais de 52 mil painéis solares, terá uma capacidade instalada pico de 18,5 megawatts, estimando-se uma produção anual de cerca de 30 gigawatts de energia.

Odigital.pt esteve presente no lançamento da obra e falou com o promotor do investimento, Afonso Proença, que diz que “é o maior investimento da região mesmo. Aliás, o senhor presidente da câmara anunciou mesmo que foi o maior investimento privado que alguma vez foi feito aqui no Alandroal”, acrescentando que “vai ser instalado um parque solar em 30 hectares numa herdade de 90 hectares, dos quais 30 vão ser utilizados como parque solar. E esse parque solar vai ter 18,5 megawatts pico, esses 18,5 mega watts pico numa estimativa de ano médio irão produzir cerca de 29,6 Giga Watts.”

O investidor diz ainda que “é um pouco mais do que o consumo do concelho”, mas “obviamente que quando estamos a falar de equilíbrio energético ou que o concelho pode passar a utilizar…não é verdade. Porque a nossa produção quando há sol, o concelho consome durante o dia todo…Portanto que nós dizemos é que em termos anuais de energia produzida e consumida, existe no Alandroal um movimento certo.”

Por sua vez, Afonso Proença refere também que “podemos daqui a alguns anos, como é nossa expectativa, economicamente seja possível armazenagem de energia local que permita que permita fazer a transferência desde a altura em que é produzida para a altura em que é consumida de forma simples e barata. Ainda não é possível mas vai ser possível.”