“Compete à autarquia o pagamento dos serviços de segurança” do “24 Horas TT Vila de Fronteira”, diz o ACP negando ter divida aos militares

Foto: D.R.

Esta quarta-feira, a Associação dos Profissionais da Guarda veio a público denunciar uma alegada divida do Automóvel Club de Portugal, aos militares da Guarda Nacional Republicana que estiveram empenhados na prova “24 Horas TT Vila de Fronteira”.

Na sequência desta denuncia publica da Associação dos Profissionais da Guarda, ODigital.pt contactou o Automóvel Club de Portugal a fim de saber qual a posição do ACP relativamente às acusações.

De acordo com a resposta que obtivemos, “o Automóvel Club de Portugal é o organizador das 24 Horas TT Vila de Fronteira, prova que conta com o apoio da Câmara Municipal de Fronteira. No âmbito desse acordo, compete à autarquia o pagamento dos serviços de segurança efetuados pela GNR.”

O ACP realça que “a Guarda Nacional Republicana é uma força militar com a qual o ACP colabora de forma estreita e leal há várias décadas, quer na parte desportiva quer em projetos comuns de segurança rodoviária e mobilidade.”

Na informação enviada o ACP é peremptório e diz que não vai “deixar passar em claro a série de calúnias e insultos a si dirigidos por uma associação de elementos da GNR. Não é admissível que ao abrigo de um estatuto de carácter laboral se lancem mentiras na praça pública, atentatórias da idoneidade de uma instituição.”

Face à gravidade das afirmações, o Automóvel Club de Portugal ver-se-á obrigado a recorrer às instâncias legais competentes se essa associação de elementos da GNR não as retirar publicamente”, conclui o ACP.