Covid-19: 28 mil pessoas fiscalizadas nas fronteiras alentejanas com Espanha. 560 foram impedidas de entrar

Como já aqui havíamos noticiado na passada semana, o Governo prorrogou até às 00:00 horas do dia 14 de maio de 2020, a reposição, a título excecional e temporário, do controlo de pessoas nas fronteiras entre Portugal e Espanha, no âmbito da pandemia da doença COVID-19.

A reposição temporária do controlo de fronteiras internas com Espanha foi iniciada às 23h00 do dia 16 de março. A partir daí, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), enquanto autoridade responsável pelo controlo de pessoas nas fronteiras, iniciou o controlo dos passageiros nos nove Pontos de Passagem Autorizados (PPA).

Até ao final do dia desta segunda-feira, 13 de abril, o SEF controlou – com a colaboração da Guarda Nacional Republicana – um total de 169.616 cidadãos.

Relativamente a cada um dos nove PPA, foi controlado o seguinte número de cidadãos:

  • Valença, Viana do Castelo – 74.432
  • Vila Verde da Raia, Chaves – 22.206
  • Quintanilha, Bragança – 4.915
  • Vilar Formoso, Guarda – 23.335
  • Termas de Monfortinho, Castelo Branco – 5.317
  • Marvão, Portalegre – 1.628
  • Caia, Elvas – 19.725
  • Vila Verde de Ficalho, Beja – 6.624
  • Castro Marim, Faro – 11.434

Deste total de 169.616 cidadãos, 1.500 foram impedidos de entrar em território nacional e um foi detido por uso de autorização de residência falsa, no ponto de passagem autorizado de Vila Verde da Raia, Chaves.

As recusas de entrada verificaram-se em Valença (472), Caia (444), Castro Marim (242), Vilar Formoso (94), Vila Verde de Ficalho (99), Vila Verde da Raia (69), Quintanilha (44), Marvão (17) e Termas de Monfortinho (19).

O objetivo deste controlo é, designadamente, vedar as deslocações de cidadãos em turismo/lazer entre os dois países.

A GNR, por sua vez, fiscalizou 136.226 viaturas no âmbito desta operação. Nos pontos de passagem não autorizados, foram reencaminhadas 193 viaturas para os PPA.

Ao SEF cabe o controlo documental de pessoas. A GNR é responsável pela circulação rodoviária e pela vigilância da fronteira terrestre entre os PPA acima identificados.