“É um parque vivido, mas queremos que seja mais utilizado”, diz Sec. de Estado nos 30 anos do Parque Natural da Serra de São Mamede (c/som e fotos)

A Quinta Olhos de Água, no concelho de Marvão, recebeu esta segunda-feira (15 de Abril) Sessão comemorativa dos 30 anos do Parque Natural da Serra de São Mamede.

Esta sessão contou com a presença da Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, o Presidente do Conselho Directivo do ICNF, o Presidente da Câmara de Marvão, bem como os autarcas de Portalegre, Arronches e Castelo de Vide, para além de outras entidades e funcionários do Parque.

Esta sessão teve alguns discursos, a visualização de um filme relativo às áreas protegidas e momentos musicais com o Octeto Serenade Ensemble.

Nesta tarde foi ainda assinado um protocolo de colaboração entre o ICNF e a Associação MIAMAS, que pretende instalar na Quinta Olhos de Água uma academia de música.

ODigital.pt falou com a Secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, Célia ramos, que começou por destacar a assinatura do protocolo entre o ICNF e a Associação MIAMAS “no sentido de, em primeiro lugar, reutilizar ou pôr em marcha a reutilização deste espaço fantástico. Por um lado é simbólico, que ao mesmo tempo estamos a fazer outras coisas”, acrescentando ainda que “estamos em articulação com o município, em que lançamos agora um projecto para a valorização da serra, cerca de 2 milhões de euros, mas isto é também com o reforço das equipas dos vigilantes da natureza. Isto marca uma nova forma de gestão do Instituto de Conservação da Natureza, de uma forma mais próxima de quem está no terreno, dos municípios e também das universidades, das associações, de caçadores florestais, de pescadores, noutros contextos de áreas protegidas”.

A Governante ressalvou ainda que “aquilo que se pretende efectivamente é melhor aproveitar e utilizar o nosso capital natural do qual as áreas protegidas fazem parte também.”

Questionada sobre se o Parque Natural está devidamente a ser utilizado pelas populações e pelos turistas, Célia Ramos, garante que “ele é um parque vivido mas queremos que seja mais utilizado e fruir mais, preparando-o, primeiro apoiando as pessoas que cá vivem, tentando promover os seus produtos através da marca Nature.pt, que temos aqui também uma mostra, mas preparando-o também para quem nos possa visitar através de percursos pedonais, através da afirmação da visitação, da observação de aves, de vários tipos de desportos que aqui podem ter lugar mas promovendo essencialmente o seu uso e fruição.”