Escola Profissional de Moura e empresa que vai construir hotel no Convento do Carmo assinam protocolo (c/som e fotos)

Como recentemente noticiamos, o Convento do Carmo, em Moura foi adjudicado através do Programa Revive à empresa que actualmente gere o Hotel Convento do Espinheiro, em Évora.

A recuperação do imóvel para a criação de um hotel com 4 estrelas, com cerca de 50 quartos, foi adjudicada à gestora do Convento do Espinheiro (SPPTH— Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros), num investimento estimado de cerca de 6 milhões de euros.

O novo hotel tem abertura prevista para 2022, no âmbito de uma concessão de 50 anos para fins turísticos.

Neste sentido, foi assinado esta quinta-feira entre Comoiprel—Cooperativa Mourense de Interesse Público de Responsabilidade limitada, gestora da Escola Profissional de Moura e a SPPTH— Sociedade de Promoção de Projetos Turísticos e Hoteleiros, adjudicatária do Convento do Carmo, que visa a formação de jovens a nível turístico.

Álvaro Azedo, Presidente da Câmara Municipal de Moura e também presidente da Comoiprel, falou ao ODigital.pt sobre este protocolo dizendo que “como bem sabe a gestora do Convento do Espinheiro ganhou o concurso do Revive para o Convento do Carmo, e logo após a empresa ter ganho o concurso começámos a conversar, e a procurar entendimentos. E não tenho dúvidas nenhumas de que vamos crescer com este investimento e os principais beneficiários neste momento são os nossos miúdos da escola profissional.”

Álvaro Azedo acrescenta que “a Escola Profissional de Moura faz um trabalho extraordinário com os miúdos nos diversos cursos ligados à hotelaria, à restauração, ao bar…E lá está, estamos a pensar a escola a 20/25 anos, estamos a pensar no futuro, fizemos um protocolo também com o Politécnico de Beja (…) pelo que este protocolo com o Convento do Espinheiro é também proporcionar à gestora que investir em Moura tem bons técnicos, gente capaz, com alma, para que não tenham que sair de Moura para trabalharem naquilo que escolheram como futuro. É um momento simbólico mas de maior importância, que muito nos satisfaz, que mostra que chegámos à Escola profissional de Moura para a valorizar e nunca para a desvalorizar.”

Questionado sobre o número de jovens abrangidos por este protocolo Álvaro Azedo refere que são “todos os jovens integrados na escola profissional podem ser integrados na dinâmica do hotel.”