Estas actividades alimentam “o ego de qualquer um e nestas idades é fundamental que os egos sejam alimentados”, afirma autarca de Redondo (c/som e fotos)

O Auditório do Centro Cultural de Redondo recebeu este sábado, 13 de Abril, o 1º Encontro de Grupos Corais e Instrumentais Séniores.

Em placo estiveram o Grupo Coral e Instrumental Academia de Afectos de Redondo e o Grupo Coral Amizade do Centro de Reformados e Idosos da Baixa da Banheira. Um espectáculo que resultou bastante animado.

ODigital.pt esteve presente e falou com o Presidente da Câmara Municipal de Redondo, António Recto, que falou deste evento dizendo que “é o primeiro encontro de grupos séniores de Redondo, é o primeiro porque outros surgirão”, acrescentando que “tem de se começar sempre de alguma maneira, aqui foi através de um intercâmbio, uma vez que o Redondo já tinha ido à baixa da Banheira e agora eles vieram cá cerca de um ano depois, mas vamos ter este tipo de encontros repetidos neste centro cultural ao longo do ano

O autarca redondense realça que “é de extrema importância que as pessoas com estas idades também participem ou comuniquem com outras pessoas de outras regiões até para troca de experiências, vivências, de dificuldades e isto alimenta o ego de qualquer um e nestas idades é fundamental que os egos sejam alimentados, é fundamental que as pessoas, neste período da sua vida tenham preocupações saudáveis e com base nessas preocupações tenham uma actividade regular, mas a actividade tem de ser mais do que isso, tem de ser feita com paixão e quando eles se sentem bem a participar nas actividades, também eu fico satisfeito em vê-los a participar.”

Questionado sobre o apoio ao envelhecimento activo, António Recto começa por dizer que “o passeio dos idosos é um complemento, o Redondo tomou decisões ao longo dos anos de contribuir e de investir nesta área social que nos orgulha bastante e como eu disse a Câmara de Redondo gasta mais de 800 mil euros em apoios sociais e ainda bem que os gasta, porque para além de um apoio é um investimento nas famílias, nos idosos, nas crianças, e acaba por ser um investimento na população.”