Feira da Bifana abriu com autarca a revelar-nos que em 2018 produziram-se mais de 1,5 milhões de Bifanas de Vendas Novas (c/som e fotos)

O Município de Vendas Novas leva a cabo a segunda edição da Feira da Bifana, iniciativa que decorre até ao dia 19 de maio, no Parque de Feiras e Mercados da cidade, contando com a participação de oito estabelecimentos detentores da marca “Bifanas de Vendas Novas”.

A cerimónia de abertura decorreu esta sexta-feira, 17 de maio, e contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas, Luís Dias, João Cavaleiro Ferreira, da Turismo Alentejo, bem como o Deputado Norberto Patinho, entre outros autarcas e algumas entidades locais.

ODigital.pt esteve presente na inauguração e falou com Luís Dias, Presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas, que começou por dizer que esta segunda edição surge “quase obrigada, porque de facto que a primeira correu tão bem que nos sentimos empurrados pelos próprios participantes, bifaneiros e toda a gente que se envolveu de forma direta e indirecta na organização da primeira edição, portanto quando corre bem é para repetir, é para continuar e cá estamos com a segunda edição daquela que é uma afirmação de vendas novas enquanto capita da bifana”, acrescentando que a Bifana, “é o nosso ADN distintivo dos outros concelhos, e eu dizia há pouco tempo que, há porco preto em todo o lado, há borrego em todo o lado, há formas gastronómicas que são diferenciadoras mas que existem em todo o lado, mas boas bifanas é em Vendas Novas e disso nenhum alentejano tem duvida, e neste momento pelo país fora e a verdade é que têm assumido uma proporção e uma magnitude que têm transcendido o concelho de vendas novas e isso dá-nos responsabilidade de promover ainda mais este produto, de proteger a sua qualidade e nós temos bifaneiros que o fazem e fazem bem.”

O autarca adianta-nos que “há dois anos lançamos um número de 1 milhão de bifanas em Vendas Novas por ano, e este ano com dados dos fornecedores estamos a falar de um milhão e meio, portanto um crescimento de meio milhão de bifanas em apenas dois anos, com uma estratégia que está a dar os primeiros passos e que tem o caminho muito longo a percorrer.”

Luís Dias falou ainda do desafio lançado “pela confraria gastronómica do Alentejo, que nos desafiou a criar uma filial desta confraria, criando a Confraria ada Bifana e é um desafio que vamos agarrar.”

Falamos ainda com João Cavaleiro Ferreira, da Turismo Alentejo e Ribatejo, deixou bem claro que “a Bifana é a de Vendas Novas! Não me venham cá com a história dos arredores, arredores sim mas freguesias de Vendas Novas. Porque aquilo que começa a aparecer aí por muitos sítios, mas não deixa de ser importante, porque gera notoriedade à terra. Agora, há por aí muita, não direi aldrabice, mas receitas que não estão correctamente elaboradas.”

Questionado se a Bifana de Vendas Novas já é um importante produto turístico, Cavaleiro Ferreira afirma que “quer em termos internos quer em termos internacionais. Começam a aparecer-nos, e não apenas espanhóis, a questionar onde fica Vendas Novas porque querem cá vir.”