Governo determinou elaboração das bases do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Alentejo

Armazenamento de água

Foi publicado esta semana, em Diário da República, o despacho que determina a elaboração das bases do Plano Regional de Eficiência Hídrica do Alentejo.

Com este despacho assinado pelos ministros do Ambiente e Acção Climática e Agricultura e pela Secretária de Estado do Turismo vai criar-se um plano para avaliar as disponibilidades e os consumos hídricos actuais, nas bacias hidrográficas do Sado, Guadiana e Mira, e estabelecimento de cenários prospectivos que tenham em conta os efeitos das alterações climáticas.

Mas este plano ainda estabelecer metas e horizontes temporais de eficiência hídrica para os principais usos, nomeadamente os associados aos setores agrícola e urbano, mas vai ainda identificar medidas de curto e médio prazo que promovam a reutilização da água tratada e a eficiência hídrica, assim como os factores críticos para o seu sucesso.

Identificar soluções estruturais e novas origens de água que complementem o previsível decréscimo do recurso por via das alterações climáticas, é ainda outro dos objectivos deste plano que vai agora ser elaborado.

Segundo o despacho publicado, a decisão de elaborar este plano prende-se com o facto de nos últimos anos os índices de precipitação terem baixado na região do Alentejo e que, no ano hidrológico de 2018/2019, representaram apenas 50 % da precipitação média anual acumulada relativa ao período de 1971 a 2000. Este facto evidencia que a seca nesta região apresenta um carácter estrutural, que terá uma tendência de agravamento devido ao efeito expectável das alterações climáticas.

A elaboração deste plano vai ser coordenada pela Agência Portuguesa do Ambiente, I. P. (APA), e a Direcção-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural (DGADR) em estreita articulação com os seguintes serviços e entidades.