Houve um “aumento da qualidade da prestação de cuidados”, diz administradora do Hospital de Évora

Em comunicado, o Hospital de Évora informa que “HESE regista um aumento 35% nas intervenções cirúrgicas programadas e de 12% nas primeiras consultas no 1º semestre de 2019, face ao ano anterior”.

No comunicado enviado às redacções é explicado que “de acordo com os resultados do balanço da atividade assistencial do HESE EPE relativo ao 1º semestre de 2019, registou-se um aumento de 35% nas intervenções cirúrgicas programadas e 12% nas primeiras consultas registadas no CTH (Consulta a Tempo e Horas), face ao período homólogo de 2018. Houve ainda uma diminuição de 5% da demora média dos doentes internados e 31% de aumento das sessões de hospital de dia”.

Nas listas de inscritos para cirurgia e lista de espera para consulta reduziram “15 e 28 %, respetivamente, face ao período homólogo” .

Maria Filomena Mendes, Presidente do Conselho de Administração realça que “o balanço deste primeiro semestre do ano é francamente positivo graças ao empenho de todas as equipas e dos respetivos Diretores de Serviço, que com grande esforço conseguiram alcançar estes resultados. A atividade assistencial de 2019, até à data, reflete o aumento da qualidade da prestação de cuidados do HESE e a melhoria da nossa capacidade de resposta à população, graças à dedicação dos profissionais do HESE”.

Quanto à actividade cirúrgica total do HESE, em 2018, realizaram-se “7079

intervenções cirúrgicas, enquanto este ano já se registaram 9191, o que corresponde a um aumento de 2112 intervenções. As cirurgias programadas são as que apresentam um maior aumento, com um valor de 35%, o que se reflete significativamente na diminuição das listas de espera dos doentes inscritos para cirurgia. Atualmente, o HESE tem uma diminuição do número de doentes em lista de espera (-15%)“.

Houve ainda “diminuição de inscritos em lista de espera nas seguintes especialidades: Ginecologia (44%), Ortopedia (29%), Cirurgia Geral (27%) e Oftalmologia (20%).  Neste mesmo período “registou-se ainda uma redução do tempo de espera de 29%, ou seja, em 2018, no mesmo período, metade dos doentes em espera foram atendidos, em média, até aos 4,2 meses, enquanto, este ano, metade foram atendidos em menos de 3 meses” .

O comunicado explica ainda que “relativamente aos inscritos em cirurgia em espera há mais de um ano reduziram 19%, face ao período homólogo. Como exemplo, a cirurgia da obesidade registou uma diminuição de

62%.

As especialidades que registam, neste período, um maior número de intervenções cirúrgicas realizadas são a Oftalmologia (1718), Cirurgia Geral (1452) e a Ortopedia (704), neste primeiro semestre”.