Instituto Português do Sangue e da Transplantação alerta para a falta de sangue dos grupos A e O

O Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) apelou para o reforço de dádivas de sangue, em particular dos grupos A e O, que “são os que estão mais em falta” e abaixo do recomendado.

“A maioria dos portugueses tem os grupos sanguíneos A e O, pelo que, naturalmente, estes são os que estão mais em falta”, afirma em comunicado a presidente do IPST, Maria Antónia Escoval.

A nota refere igualmente que, “nesta época, a par do habitual decréscimo do número de dádivas, decorrentes das baixas temperaturas e de casos de gripe”, tem aumentado a necessidade de sangue, sobretudo destes dois grupos.

As reservas de sangue dos grupos A e O do IPST estão “abaixo do recomendado» e não conseguem «fazer face às necessidades”, prossegue o comunicado.

O IPST apela, por isso, para a participação de “todos os que cumpram os critérios para dádiva de sangue”.

Para ser dador de sangue é preciso ter entre 18 e 65 anos, sendo que o limite para a primeira dádiva é 60 anos, ter um peso igual ou superior a 50 kg e ter hábitos de vida saudáveis.

As dádivas podem ser feitas nos Centros de Sangue e Transplantação de Lisboa, Porto e Coimbra, unidades hospitalares com serviço de colheita e nas sessões móveis de colheita que decorrem diariamente em vários locais do país.

Fonte: SNS.pt

O mais visto