Ivo Lopes venceu Campeonato Nacional de Velocidade

Campeonato Nacional de Velocidade

Com a presença de três convidados de luxo, Sheridan Morais, Broc Parks e Marceli Bezulski, a prepararem a ronda de encerramento do FIM EWC no próximo fim‑de‑semana, Ivo Lopes celebrou em grande o seu aniversário no passado Domingo após uma das melhores corridas do CNV dos últimos anos. Em mais uma grande jornada o campeonato nacional encheu o Circuito do Estoril e ‘deu’ importante passo rumo à revalidação do título maior na velocidade portuguesa.

Ficou claro logo nos treinos de Sábado que a tripla composta por Morais, Parks e Lopes estavam num patamar diferente, cabendo a Sheridan, que tem também passaporte português, a ‘pole’ para ambas as corridas na classe maior do campeonato, ele que ao lado do seu colega de equipa ocuparam as duas primeiras posições numa linha fechada por Lopes. Com diferenças muito reduzidas era evidente que o trio queria assumir destaque, como se confirmou logo na primeira corrida do programa, realizada na tarde de Sábado. 15 intensas voltas onde o melhor acabou por ser o australiano Broc Parks, o mais experiente dos pilotos em pista, com 38 anos de idade e passagem pelos mundiais Superbike, Supersport e mesmo MotoGP na sua carreira. No final de um intenso duelo o trio ficou separado por menos de oito décimas de segundos, cabendo a quarta posição a Pedro Nuno que fechou a corrida na frente de Tiago Magalhães.

No Domingo, dia de segunda corrida e aniversário de Ivo Lopes, o campeão nacional festejou novamente com os seus dois convidados de luxo, mas antes do fazer parecia ter deixado a ‘vela apagar’ quando ainda numa fase inicial da corrida se atrasou quando lutava de forma intensa com Sheridan Morais pela vitórias. Os dois envolveram-se num duelo sem tréguas mas com a falha de Lopes o endiabrado Morais parecia ter caminho aberto para vencer no fecho do programa. Mas Ivo Lopes queria mesmo ser ele a vencer e depois de uma fantástica recuperação – para a qual os 38 anos de Broc Parks foram demasiado pesados – Lopes encostou em Morais e saltou para a frente deste rumo a um intenso final de corrida onde além da vitória perante duas estrelas maiores do mundial de resistência recebeu ainda em dia de aniversário a imensa aproximação à renovação do seu título nacional pois Pedro Nuno – a contas com problemas de tracção na sua moto – foi novamente o quarto na frente de Tiago Magalhães.

Foi em ambiente verdadeiramente electrizante que se fechou a corrida e os três primeiros subiram ao pódio após intensas 15 voltas, recebendo Ivo Lopes os devidos e muito merecidos cânticos de aniversário num dia onde apenas faltou o público por força do impedimento de acesso às bancadas que as restrições sanitárias definem. Dani Trelles foi em ambos os dias o vencedor nas Superstock 600.

Se a vitória de Ivo Lopes foi mesmo o grande momento no dia do seu aniversário, mais pilotos festejaram vitórias e mesmo a conquista antecipada dos primeiros lugares nas suas categorias. Nas Supersport 300 não foi o caso e depois de Dinis Borges ter conseguido a sua segunda vitória do ano na frente de Tomás Alonso e Afonso Almeida, que assinou o seu primeiro pódio na frente de Miguel Santiago e Rafael Damásio, será em igualdade de pontos (81) que Borges e Alonso irão discutir o título, sendo que Pedro Fragoso, ausente por estar em Barcelona na ronda do mundial na mesma categoria, ficou fora da corrida ao campeonato. Nas Pré-Moto3 venceu Gonçalo Ribeiro na frente de Daniel Bento e Ivan Hernadez, sendo agora 18 os pontos de vantagem de Ribeiro face ao segundo classificado no campeonato.

Nas 85/Moto4 Afonso Almeida poderia ter fechado as contas do campeonato e depois de ter saído na ‘pole’ o piloto da Charneca da Caparica sofreu uma queda na quinta volta e abandonou, abrindo caminho a Adelino Patronilho que venceu na frente de Fernando Santos e Naama Rosa. Martim Marco foi o vencedor nas Moto5 e assegurou a primeira posição no campeonato depois de cruzar a linha de meta na frente de Pedro Matos e Lourenço Vicente.

No Troféu ENI – Taça Luis Carreira os vencedores no Sábado foram João Curva na Open, Pedro Dias nas SBK e André Capitão nas SS, vitórias que tiveram ‘reflexo’ nos primeiros lugares conseguidos por Paulo Vicente na Tuono Cup e Miguel Vilares na ZCup. No Domingo foram novamente os mesmos a vencer no Troféu ENI – Taça Luis Carreira, com Miguel Vilares a vencer nas Tuono e Paulo Vicente nas ZCup. Nas Tuono foi também encontrado o vencedor da época, com Duarte Amaral a assegurar a conquista da primeira posição depois de dois segundos lugares.

Na Copa Dunlop Motoval venceram Victor Barros e André Gonçalves no Sábado, com Barros a repetir a vitória na classe 1 no Domingo, cabendo a Christophe Lajouanie na classe 2, ele que assegurou também a vitória absoluta na categoria. O campeonato tem ainda uma prova por realizar, já em Outubro e onde serão conhecidos definitivamente todos os campeões nacionais 2020.

Fonte: Federação Motociclismo Portugal