Ministro da Agricultura destaca a “amplíssima e muito rápida adesão” na criação, em Elvas, do Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas (c/som e fotos)

A Estação Nacional de Melhoramento de Plantas, de Elvas, acolheu esta quarta-feira (11 de Setembro, o Seminário “Alterações Climáticas: que Desafios para o Sector Agroflorestal Nacional?”.

Uma iniciativa do INIAV – Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, durante a qual teve lugar a cerimónia de assinatura do Protocolo de Constituição e Funcionamento do Centro Nacional de Competências para as Alterações Climáticas do Sector Agroflorestal (CNCACSA), um novo Centro de Competências que ficará instalado na Estação Nacional de Melhoramento de Plantas, em Elvas.

Esta sessão contou com a presença do Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, o Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Regional, Luís Capoulas Santos, o Presidente da Câmara Municipal de Elvas, Nuno Mocinha, o Presidente do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, Nuno Canada, bem como representantes de várias entidades ligadas ao sector.

No seu discurso o Presidente do Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária, começou por explicar que “os centros de competência são plataformas que unem todos o interessados em redor de um tema com um objectivo central de produzir e transferir conhecimento em determinada área. Há centros de competências que são temáticos, como por exemplo o Centro de Competências do Milho em Coruche e há centros de competências transversais como é o caso deste centro nacional de competências para as alterações climáticas”. Nuno Canada acrescentou ainda que “o objectivo foi juntar todas as entidades que podem contribuir para enfrentar os desafios que temos nesta matéria, como sabem as alterações climáticas na área agrícola e florestal são claramente um dos principais desafios que nós temos para as próximas décadas e precisamos de mais conhecimento para enfrentar este desafio.”

Já o Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, salientou que é “com muita satisfação que constato que houve uma amplíssima e muito rápida adesão que é plenamente justificável pela premência deste assunto tão importante para todos nós, porque a cada dia  todos vamos tendo consciência do que são as consequências das alterações climáticas e particularmente na agricultura e como sabem Portugal está na zona geográfica de maior exposição e naturalmente temos de nos adaptar e mitigar essas consequências e terá de ser um longo trabalho.”