Monforte recebeu Cerimónia de Constituição de 41 novas Equipas de Intervenção Permanente (c/som e fotos)

Decorreu no passado dia 4 de Abril, na Sala Polivalente Municipal, em Monforte, a Cerimónia de Assinatura de 43 Protocolos que regulam as condições de contratação, funcionamento e manutenção dos elementos que integrarão as Equipas de Intervenção Permanente (EIP) e que serão celebrados entre a Autoridade Nacional de Protecção Civil (ANPC) e as respectivas Câmaras Municipais e Associações Humanitárias dos Bombeiros Voluntários (AHBV).

Para além dos Presidentes das entidades signatárias e de demais representantes de diversos organismos públicos e privados convidados, em particular os que ocupam os mais altos cargos dentro da estrutura nacional da Protecção Civil, o ato contou com as presenças do Ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, e do Secretário de Estado da Protecção Civil, José Artur Neves.

Antecedeu a cerimónia, uma Formatura de Guarda de Honra da Corporação dos Bombeiros Voluntários de Monforte.

ODigital.pt esteve presente e falou com o Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, que começou por referir que “de facto foi mais um dia histórico para o concelho de Monforte ter aqui toda a estrutura a Protecção Civil, o Ministro da Administração Interna, dois secretários de estado, o Presidente da Protecção Civil e toda a estrutura da protecção civil, é um motivo de grande orgulho, foi uma grata honra, esperamos ter correspondidos às expectativas. Foi uma cerimónia que correu muito bem.”

O autarca destacou a “criação de mais 41 equipas de protecção permanente, que vão estar disponíveis nas corporações dos bombeiros, em várias corporações do país, é um reforço importante, em 18 meses foram criadas 180 equipas de protecção permanente, é um a resposta inequívoca às necessidades das populações, mas também à valorização do bombeiro voluntário. O bombeiro voluntário tem sido uma figura ímpar no combate aos incêndios, que paga muitos vezes com o mais alto valor da nossa existência que é a própria vida, e até parece que não são voluntários”.

Monforte receberá uma das equipas, tendo também o apoio do Município, tal como esclareceu Gonçalo Lagem, dizendo que “este protocolo visa a repartição de custos com estas equipas de protecção permanente, com 50% para os municípios e 50% para a Autoridade Nacional de Protecção Civil, o município de Monforte aderiu porque é a oportunidade de criar cinco novos postos de trabalho e é oportunidade de darmos um passo com vista ao aumento do socorro, à prontidão e disponibilidade que uma equipa de mulheres e homens, corporação de bombeiros, exigem. Qualificada, capacitada, e é isso que nós queremos, qualificar e capacitar cada vez mais aqueles que nos defendem todos os dias.”