“Mora deixou de ser um concelho de passagem e passou a ser um concelho de destino”, disse Presidente do Município de Mora, na abertura da Expomora (c/som e fotos)

Iniciou esta sexta-feira, 6 de Setembro, mais uma edição da EXPOMORA, que decorre até dia 8 de Setembro no Parque de Feiras de Mora, no distrito de Évora.

A cerimónia de inauguração contou com a presença do Presidente da Câmara Municipal de Mora, Luis Simão e restante executivo, todos os Presidentes de Junta de Freguesia e o Presidente da Entidade regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva.

Após o hastear das bandeiras, seguiu-se a cerimónia protocolar, procedendo-se depois a uma visita a todo o certame.

ODigital.pt falou com o Presidente da Câmara Municipal de Mora, Luis Simão, que começou por explicar que “temos 69 expositores, nesta edição da EXPOMORA, e são desde associações, muitas das associações do concelho estão aqui, estão aqui os artesãos, estão aqui a maior parte das empresas do concelho, e é facto é uma feira que tem essa parte de mostrar aquilo que realmente temos de bom e depois aquilo que envolve as feiras hoje como gastronomia, espectáculos”, acrescentando que “temos este ano um programa que vai trazer muita gente a Mora e que durante estes dias vai encher o concelho de gente, o tempo parece que está a ajudar, e vai ser uma grande feira, uma grande EXPOMORA.”

Questionado sobre a aposta num programa actractivo, o autarca refere que “um dos grandes factores que pode mexer com a economia, é as pessoas que conseguimos trazer ao concelho”, destacando que “hoje, Mora deixou de ser um concelho de passagem e passou a ser um concelho de destino. Hoje vem-se ao concelho de Mora para se visitar o Fluviário , para visitar o museu, para se degustar a nossa magnífica gastronomia, participar nos mais variados eventos que realizamos ao longo do no e de facto estes milhares de pessoas que vêm até ao concelho de Mora fizeram com que no âmbito da restauração e da hotelaria, Mora tivesse dado salto significativo, criando emprego, deu estabilidade a muita gente e creio que é também uma aposta ganha do município.

Falamos ainda com António Ceia da Silva, Presidente da Entidade Regional de Turismo, que começou por dizer que “este tipo de eventos que proliferam e marcam o verão, de uma forma muito substancial, são eventos muito importantes para as dinâmicas turísticas porque para já atraem pessoas e tem esse factor promocional, por outro lado porque os turistas que aqui estão são convidados a ficar mais tempo porque há aqui festas, há aqui artistas, há aqui artesanato… Por outro lado, valoriza muito as comunidades locais, porque por aqui passam os artistas plásticos os queijos, os enchidos, o vinho, eu diria que toda a comunidade local, as escolas, os grupos acabam por estar aqui envolvidos, e isso é muitíssimo importante do ponto de vista da valorização territorial. Ao mesmo tempo que há uma componente muito relevante, que não nos podemos esquecer, que é a diáspora, que acaba por regressar à terra por causa das festas e que são os primeiros promotores turísticos do concelho, que são aqueles que acabam por viver em Lisboa ou noutros locais e que dizem ‘A Minha terra é Mora’, ‘A minha terra é fantástica…’, ‘Têm de lá ir visitar…’, e isso acaba por ser muito importante do ponto de vista promocional.