“O 10 de Junho não é só para chamar a atenção num dia. É para marcar uma diferença!”, diz Marcelo Rebelo de Sousa em Portalegre (c/som)

Iniciaram-se este domingo, 9 de Junho, as cerimónias oficiais do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

Pelas 10:15, decorreu o içar da Bandeira Nacional, seguindo-se uma visita às actividades militares complementares, onde o Presidente da República pôde observar várias actividades dos vários ramos das Forças Armadas.

Após a visita decorreu a apresentação de cumprimentos do Corpo Diplomático acreditado em Lisboa, a que se seguiu um almoço oferecido pelo Presidente da República.

Em declarações à imprensa, Marcelo Rebelo de Sousa, começou por dizer que “este 10 de Junho é cheio de vários significados. O primeiro significado não pode deixar de ser o culto da pátria, o respeito e gratidão às forças armadas, bem testemunhadas no dia de hoje. Eu felicito vivamente as forças armadas portuguesas pela forma como souberam estar presentes e junto do povo de Portalegre, que no fundo significa junto do povo de Portugal, mostrar que são insubstituíveis ao serviço da nação.”

Sobre a escolha de Portalegre, Presidente da República refere que “a escolha de Portalegre também é simbólica, porque significa que Portugal nunca se esquece dessas realidades que são, não direi que são os Portugais desconhecidos mas menorizados, minimizados ou nem sempre presentes naquilo que é a vontade colectiva. Estar em Portalegre, vir a Portalegre 41 anos depois, significa reavivar o que foi um primeiro sinal da democracia portuguesa. Logo a seguir à entrada em vigor da Constituição da República Portuguesa. Cheio de consequências para o futuro.”

O Chefe de Estado refere também que “a própria escolha do presidente da comissão organizadora é uma demonstração desse objectivo de inovação. Portugal é um projecto que continua a ser construido todos os dias, virado para o futuro. Cultiva o passado, respeita o presente, olha para os problemas do presente, entre eles aquele dos Portugais muito diversos, e olha, aposta e inova no futuro. E nesse sentido é um 10 de Junho, diferente dos anos anteriores.”

Questionado sobre o que será Portalegre após estas comemorações, Marcelo realça que “sabe que eu acho que nunca mais se é o mesmo, é um principio básico, há um passo que já foi anunciado, uma barragem que se esperava há muito tempo, que vai avançar. Há necessidades e premências sobretudo de proximidade, acessibilidade, mobilidade, interpenetração social e cultural, que não poderão ser adiadas, e o 10 de Junho não é só para chamar a atenção num dia, dois dias ou três dias. É para marcar uma diferença! E essa diferença vai ser marcada no futuro.”

O Presidente da República foi ainda questionado se o recente anúncio da construção da barragem foi pressão do Presidente ou se foi apenas uma coincidência, tendo este dito que “eu acho é que houve uma pressão do povo desta região ao longo de muitas décadas e essa pressão no momento em que isso passou a ser possível concretizou-se, teve sucesso. O mérito não é do Presidente da República, não é de uma instituição, é daqueles que lutaram durante décadas por uma realidade que era óbvia.”

https://odigital.pt/wp-content/uploads/2019/06/marcelo_10junho.mp3