O Alentejo“Mais uma vez está na primeira linha daquilo que é bem feito em Portugal e na área do turismo”, diz Ceia da Silva (c/som)

Conforme ODigital.pt noticiou, esta semana foram entregas entrega dos certificados “Biosphere” a 38 unidades hoteleiras do Alentejo e do Ribatejo, bem como a assinatura de contratos de financiamento da Linha de Apoio à Valorização do Turismo Interior, do Turismo de Portugal à Rede de Apoio ao Auto-caravanismo e ainda a inauguração do Projecto de Acessibilidades do Colégio do Espírito Santo, na Universidade de Évora.

Para o Presidente da Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo, António Ceia da Silva, são projectos muito importantes “no sentido daquilo que temos vindo a trabalhar ao longo do ano. Em que para nós, um aspecto fundamental é de facto a certificação. Ou seja, temos a certificação dos restaurantes, alojamentos, vamos certificar o turismo em espaço rural que está a decorrer…”

Esta certificação é importante, “face a um turista que é cada vez mais exigente, mais culto, mais informado, com mais poder de compra, exige obviamente um destino mais qualificado e a questão de nós termos aqui um conjunto de alojamentos disponíveis para uma certificação sustentável, para melhorar as suas infraestruturas, para trabalhar a sustentabilidade, isso é muito inspirador. Qualifica-se o destino e isso foi um grande momento.”

Já sobre a rede de Apoio ao Auto-caravanismo, Ceia da Silva, destaca o trabalho em rede, pois “já o fizemos no cycling e fazemos agora no auto-caravanismo . Pôr as câmaras a trabalhar em equipa desde o Baixo Alentejo até à Lezíria, e a criar uma rede que vai ter 38 centros de recepção e de apoio ao auto-caravanista é único no país, como disse a secretária de estado. Portanto mais uma vez estamos na primeira linha daquilo que é bem feito em Portugal e na área do turismo.”

Por sua vez sobre o projecto inaugurado na Universidade de Évora, o Presidente da Entidade Regional de Turismo refere que “é uma possibilidade que turistas possam vir visitar a universidade. Para virem, têm que ter condições logísticas, áudio-guias, folhetos, salas de atendimento, apps, e portanto a universidade preparou-se para ser um dos centros que em Évora mais turistas pode receber.”