Praga de insectos que afecta a batata detectada no Vimieiro (Arraiolos) e Casa Branca (Sousel)

A Direção – Geral de Alimentação e Veterinária anunciou recentemente que foram encontrados focos da praga de Epitrix no Alentejo, nomeadamente nos concelhos de Arraiolos e Sousel.

Epitrix papa é um pequeno coleóptero crisomelídeo pertencente à família das álticas ou “pulguinhas”, cujas larvas causam estragos nos tubérculos contribuindo para a desvalorização comercial da batata.

É uma espécie exótica, tendo sido identificada pela primeira vez em Portugal em 2008, embora nessa altura como Epitrix similaris. Estudos científicos posteriores revelaram que o insecto causador dos estragos em tubérculos em Portugal e posteriormente em Espanha (em 2009 na Galiza e posteriormente nas Astúrias e Andaluzia).

Atendendo aos resultados do corrente ano já disponíveis, verificou-se a presença da espécie Epitrix papa e E. cucumeris na freguesia de Vimieiro (Arraiolos) e de E. cucumeris na freguesia de Casa Branca (Sousel). na região do Alentejo.

Esta praga já tinha sido detectada em Alcácer do Sal, Alter do Chão (Alter do Chão), Cano (Sousel), Longueira/Almograve (Odemira), União das Freguesias Nossa Senhora da Vila, N.S. do Bispo e Silveiras (Montemor-o-Novo) e em Rio de Moinhos e Matriz (Borba).

Assim, nesses locais onde esta praga foi detectada é obrigatória a aplicação das medidas de proteção fitossanitária preconizadas na Decisão de Execução da Comissão 2012/270/EU e alterações, nomeadamente:

– Limpeza dos tubérculos (por lavagem ou escovagem) deforma a garantir uma percentagem de terra aderente inferiora 0,1%, oficialmente constatada, nas expedições para zonas isentas;

– Atestar o cumprimento destas exigências fazendo acompanhar as remessas de um Passaporte Fitossanitário.

Para efeitos de supervisão oficial e garantia do cumprimento dos requisitos acima mencionados, as entidades responsáveis pela expedição de batata devem junto da DRAP respetiva:

– Solicitar, caso não o possuam já, o respetivo registo de operador económico (através da plataforma online CERTIGES acessível em https://certinet.dgav.pt/certiges);

– Registar os campos de batata destinados à expedição para fora da Zona demarcada;

– Submeter, para aprovação, o modelo de passaporte fitossanitário.