Procura de bicicletas cresceu 500% entre Maio e Julho e esgotou o stock em Portugal

O stock de bicicletas esgotou em Portugal no final de Julho passado, graças a uma procura desenfreada dos portugueses por aquele produto, que cresceu 500% depois do desconfinamento, revelou hoje o KuantoKusta (KK) após uma análise sobre a procura/aquisição deste tipo de veículo entre maio e final de julho.

Segundo o maior comparador de preços em Portugal, a causa principal é o medo de contágio por Covid-19, mas também uma das opções preferidas para os portugueses manterem a forma física e evitarem os ginásios.

Acreditamos que estamos perante um produto com novos adeptos e que em si mobiliza novas atitudes, sobretudo pelas suas características ecológicas e saudáveis”, afirma Paulo Pimenta, CEO do KK.

A análise dita uma nova tendência em termos de preferência de meios de transporte, e esta procura revela que a bicicleta não é só uma forma de deslocação mais segura, como também é uma ótima alternativa para todos que querem evitar recintos fechados para a prática de desporto.

A análise informa ainda que as bicicletas modelos BTT (todo-o-terreno), versáteis e adaptadas à rodagem em todo o tipo de pisos, são as mais procuradas por clientes do sexo masculino, do grupo etário entre os 25 e 44 anos, e confirma que a tendência veio para ficar.

A procura continuará em alta nos próximos meses, havendo um abrandamento nos meses de inverno. Mas o surgimento de iniciativas públicas para fomentar este tipo de deslocação mostra que a procura continuará elevada”, antecipa o mesmo responsável.

 

O que acontece lá fora e em Portugal?

 Em França, o governo criou um fundo que prevê subsídio de reparo de bicicletas antigas e um financiamento para aquisição de bicicletas elétricas novas.

 No Reino Unido e em Itália, as autoridades estão a criar quilómetros e quilómetros de ciclovias.

Em Portugal, a Câmara de Lisboa promove incentivos para compra de bicicletas de diversas categorias, e o país mantém-se no ranking de segundo maior exportador do produto na Europa.

Há uma procura bastante elevada por este tipo de produto e a oferta escasseia. É expectável que a oferta aumente nas próximas semanas, uma vez que a produção nas principais fábricas da área começa a dar respostas aos pedidos”, conclui Paulo Pimenta.