Quando “não temos uma sociedade como queremos, temos de agir e este projecto é uma prova disso mesmo”, diz presidente de Vendas Novas na inauguração do CAVI (c/som e fotos)

Decorreu esta quarta-feira, 24 de Julho, na Biblioteca Municipal de Vendas Novas, a cerimónia de abertura do CAVI (Centro de Apoio à Vida Independente) Alentejo, da Inovar Autismo, que contou com a presença da Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes.

O CAVI Alentejo tem sede em Vendas Novas e presta apoio a pessoas com autismo, com deficiência intelectual ou outras neurodiversidades, com idade igual ou superior a 16 anos, dos distritos de Évora, Beja, Portalegre e alguns Concelhos do Distrito de Setúbal, Lisboa e Santarém.

O apoio é gratuito e prestado por Assistentes Pessoais, funcionando como uma ferramenta privilegiada de autodeterminação, autonomia, participação e inclusão, personalizada a cada utente face às suas próprias necessidades, trabalhando sempre em conjunto com as famílias e em rede com a comunidade.

Em declarações ao ODigital.pt a Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência, Ana Sofia Antunes. começou por dizer que este é uma “iniciativa inovadora, estão a surgir um pouco por todo o país, ao todo vão ser 35 e queremos que cheguem a todo o Portugal, mesmo aos locais do interior. E este aqui, CAVI, em Vendas Novas, mas que vai dar resposta ao interior alentejano e era de facto uma necessidade.”

Questionada se este centro vai apenas acolher 10 pessoas ou se há possibilidade de vir a acolher mais a governante salientou que “este CAVI vai assistir 10 pessoas, ao todo se considerarmos os 35 centros que vão estar em funcionamento, eles vão abranger mais de 800 pessoas no país inteiro. Este foi um projecto mais pequenino que apareceu, é um projecto mais especifico, porque esta associação Inovar o Autismo, é uma associação jovem que está a propor trabalhar com pessoas com autismo, não exclusivamente mas preferencialmente, é uma área na qual temos muito interesse porque precisamos de perceber e conhecer mais, a possibilidade de se alargar ou não, durante estes três anos de projecto, está dependente da verba que existe em sede de reprogramação de fundos e também da vontade da associação.”

Por sua vez Luis Dias, Presidente da Câmara Municipal de Vendas Novas, começa por falar nas pessoas com deficiência, dizendo que  “no fundo elas já fazem parte da nossa comunidade, cabe-nos a nós criar as condições para que o façam e o sejam de forma igualitária, porque não há nenhum ser humano igual ao outro, todos temos diferenças, todos temos as nossas fragilidades, e ninguém é mais ou menos por isso. E nesse sentido este projecto do CAVI, o CAVI aqui em Vendas Novas, no Alentejo, é uma oportunidade de fazer acontecer, aquilo que todos defendemos, que é uma sociedade mais justa, que saiba integrar da mesma forma aqueles que não têm as mesmas capacidades do que a maioria dos cidadãos.”

O autarca acrescenta que “o CAVI, que é um projecto inovador com financiamento comunitário, a bom termo o nosso governo decidiu criar estas linhas de financiamento para experimentarmos uma metodologia diferente, uma abordagem inovadora e que sai um bocadinho fora da caixa, que coloca o apoio de 1 para 1, de tutor para cada um destes jovens, muitos deles que vão aqui ter uma oportunidade de desenvolver, de acreditar e uma via perfeitamente normal, que têm todo o direito a isso.”

Questionado sobre o apoio que a autarquia dá a esta área social, o Autarca refere que “não há nenhuma comunidade forte que apresente índices de resiliência superiores que não faça este trabalho de integração, ou seja, o que nós queremos é uma comunidade cada vez mais justa, cada vez mais promotora da igualdade entre todos os seus cidadãos, e sem estes projectos não era possível isso e portanto nós abrimos as portas, abrimos os braços, acolhemos todos estes projectos, que não é o primeiro, temos vários já em funcionamento felizmente, e que têm apresentado resultados muito bons nesse sentido e portanto na base do reconhecimento em que não temos uma sociedade como queremos, temos de agir e este projecto é uma prova disso mesmo. Fazer acontecer.”

A Presidente da Inovar Autismo, Ana Albuquerque, referiu que “a inauguração do CAVI no Alentejo concretiza um dos princípios estatutários da nossa associação que se prende com a prática da cidadania, da independência e dos direitos humanos das pessoas com autismo e outras neurodiversidades. Desde sempre, quem nos conhece, sabe que sempre pugnamos por estes valores, da auto-determinação, da auto-representação e da inclusão de todas as pessoas.

1 thought on “Quando “não temos uma sociedade como queremos, temos de agir e este projecto é uma prova disso mesmo”, diz presidente de Vendas Novas na inauguração do CAVI (c/som e fotos)

Comments are closed.