“Queremos colocar a nossa visão de onde queremos estar em 2030”, “é este o desafio do Futuro, Roteiro 2030”, diz Presidente da CCDR Alentejo (c/som e fotos)

Évora recebeu hoje, 18 de Janeiro, a primeira conferência inserida no projecto “Roteiro 2019. Desafiar o Futuro”. A organização esteve a cargo a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Alentejo (CCDR Alentejo).

No Auditório da CCDR Alentejo marcou presença, entre outros, o Secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão, Nélson Souza.

O objectivo da conferência foi reflectir e projectar os grandes desígnios da região e as prioridades do novo ciclo de política e coesão europeia e a participação regional na mesma. Carlos Zorrinho apresentou ‘Os desafios da convergência’; Miguel Castro Neto apresentou ‘Os dados e o território’; Teresa Pinto Correia apresentou ‘A sustentabilidade e o território’ e, por fim, Rui Marques apresentou ‘A sustentabilidade e o Território’.

A CCDR Alentejo aproveitou a ocasião para lançar o projecto que tem por fim a construção de um mundo mais sustentável #menosumagarrafadeplástico, que se baseará na oferta de uma garrafa reutilizável que pode ser enchida em máquinas próprias, na CCDR, disponibilizando água natura, fresca ou gaseificada. Num evento aberto à população era intenção envolver todos os agentes de modo a permitir organizar futuramente eventos descentralizados colocando assim em prática as ideias que daqui possam surgir.

No final, Roberto Grilo, Presidente da CCDR Alentejo, falou aos jornalistas dizendo que este evento foi “uma iniciativa da CCDR Alentejo, não uma iniciativa nacional por muito que possa parecer, num desafio que nos foi feito no conselho regional pelo primeiro-ministro para um contributo para a estratégia regional 2030”, acrescentando que “entendemos que devíamos percorrer um caminho com a região, para lançar um Roteiro para pensar no futuro da região.”

Sobre as conclusões em concreto deste seminário, Roberto Grilo refere que “Avançamos aqui com alguns temas gerais, abrangentes, mas que são ainda genéricos, que queremos aprofundar com todos os actores conforme assumi na intervenção dentro do seminário”, dizendo também que “nós queremos envolver todo o tipo de actores desde autarquias, universidades, municípios, associativismo, Comunidades Intermunicipais, pois queremos como um dos oradores já referiu, não um plano de desenvolvimento regional mas um Plano Regional para o Desenvolvimento. Queremos inverter, queremos colocar a nossa visão de onde queremos estar em 2030. E é este o desafio do Futuro, Roteiro 2030.”

Questionado sobre se quer estar em 2030, o Presidente da CCDR Alentejo disse apenas que “seria arrojado da minha parte antecipar uma resolução que se pretende que seja colectiva e participada. Queremos chegar a essa conclusão nesta conclusão do Roteiro 2030.”

Já sobre o envolvimento dos Municípios e das Entidades Regionais no desenvolvimento da Região, Roberto Grilo afirma que “o Alentejo quer participar, o envolvimento nesta acção hoje indicia a vontade de envolvimento da região, mas eu traria para a discussão outros factores. Eu acho que o Alentejo tem dado provas de que quer estar na linha da frente, de que quer afirmar-se.”