Redondo: “Esta obra não é para que quem cá vive fique a ver os comboios passar, pelo contrário”, diz Primeiro-Ministro (c/som e fotos)

A vila de Redondo recebeu esta segunda-feira, 11 de Fevereiro, a cerimónia oficial de assinatura dos autos de adjudicação da empreitada de construção do novo troço da linha ferroviária Évora Norte/ Freixo. Uma cerimónia que contou com a presença do Primeiro-Ministro, António Costa, o Ministro das Infraestruturas, Pedro Marques, o Presidente da Câmara Municipal de Redondo, António Recto, os Administradores da empresa Infraestruturas de Portugal, bem como outros autarcas e representantes de várias entidades.

No discurso que proferiu, o Primeiro-Ministro, António Costa, referiu que “esta obra é da maior importância para o país, para a Europa e para a região Alentejo. Esta é, no conjunto, a maior obra ferroviária que lançámos nos últimos 100 anos. E isso diz muito de como nas últimas décadas a prioridade esteve muito mais focada na rodovia em vez da ferrovia e temos agora de fazer um esforço acrescido para recuperar o tempo perdido, e esse esforço é essencial.”

O líder do governo português, destacou também a importância desta nova ferrovia para a mitigação das alterações climáticas, dizendo que “quando estamos a investir na ferrovia estamos a retirar 1000 camiões das estradas e ao tirar 1000 camiões das estradas estamos a tirar muitas toneladas de CO2 da nossa atmosfera.”

António Costa, realçou também que “é essencial para assegurar o objectivo e a visão que temos sobre o desenvolvimento do nosso território: melhorar a nossa competitividade externa e coesão interna”, acrescentando que “esta linha não vai apenas potenciar a ligação do Porto de Sines à Europa. Vai potenciar também a ligação da Europa ao Porto de Sines e isto é muito importante.” “Fundamental esta linha que atravessa no fundo toda esta grande planície alentejana. Esta obra não é para que quem cá vive fique a ver os comboios passar, pelo contrário, tem de ser mais uma oportunidade para que as empresas aqui se fixem.”, afirmou ainda o Primeiro Ministro.