Já brincou com o seu filho hoje?

O ambiente criado pela televisão e o lugar que esta ocupa nos lares, são factores de socialização indiscutíveis. Moldam atitudes, comportamentos e até mesmo as actividades desenvolvidas pelas crianças. Existe uma clara influência da televisão e daquilo que é visualizado nas tecnologias de informação nas personalidades das nossas crianças, manifestando-se em desenhos, jogos, brincadeiras ou na linguagem utilizada pelos mais jovens. Até os seus gostos são moldados, manipulados. Esta manipulação encara duas vertentes, a acção directa sobre as crianças e a utilização destas para alcançar os adultos, como é possível verificar por intermédio de um leque publicitário diversificado emergente no pequeno ecrã.

Dentro do público audiovisual é possível distinguir a criança, o adulto, a família e a multidão telespectadora. O pequeno ecrã, ao introduzir de forma “cruel” as crianças no mundo dos adultos, priva, em certa medida, as crianças da infância a que estas têm direito. Muitas crianças vêm o que lhes interessa e o que interessa aos pais, chegando mesmo a ver programas aterradores e pornográficos, quer na companhia dos seus progenitores, quer por distracção e descuido destes. Mesmo que as crianças sejam levadas a participar na programação dos adultos, é necessário ter em conta que não deixam de ser crianças e a percepção que têm daquilo que assistem não é a mesma que os adultos.

Muitas crianças depois de regressarem da escola, encontram uma casa vazia, onde o único som é o de um televisor ou telemóvel. São muitas vezes deixadas à mercê dos encantos do televisor, desprotegidas. O abandono físico da criança, sentada diante da televisão, é simultaneamente um abandono moral, onde a criança fica entregue a sedutores infantis, cujo papel é imobilizar e entreter as crianças.

A criança é isso mesmo, uma criança, que necessita de brincar. Brincar é uma actividade social essencial para a construção das relações sociais entre as crianças e com um carácter significativo no seu desenvolvimento, aprendizagem, imaginação e criatividade. Trata-se assim de uma actividade propiciadora da aprendizagem da sociabilidade.

É importante que seja concedido às crianças tempo e espaço para as suas brincadeiras, onde podem testar as suas habilidades artísticas como o desenho e a pintura, ou físicas como o correr e o saltar, ou onde podem dar “asas à imaginação”, sendo arquitectas, engenheiros, enfermeiros ou professoras.

Brinque com o seu filho!