Veiros: Os maiores desafios destes 10 anos foram “a falta de água e a falta de dinheiro, de resto havia tudo”, diz Presidente da Associação de Regantes (c/som e fotos)

Decorreu esta sexta-feira, 27 de setembro, em Veiros o Encontro comemorativo do X aniversário da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Veiros.

Uma cerimónia presidida pelo Ministro da Agricultura, Luis Capoulas Santos, tendo estado ainda presentes o Presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Veiros, José Nuno Pereira, o Presidente da Câmara Municipal de Estremoz, Francisco Ramos, o Presidente da Câmara Municipal de Monforte, Gonçalo Lagem, o Presidente da FENAREG, José Núncio  e o Director-Geral de Agricultura e Desenvolvimento Rural, Gonçalo de Freitas Leal, entre outras entidades ligadas ao sector.

Esta cerimónia contou com algumas palavras proferidas pelos presentes, seguindo-se depois uma apresentação sobre a evolução do regadio no Aproveitamento Hidroagrícola de Veiros, culminando esta celebração com uma visita de autocarro a várias zonas do perímetro de rega.

ODigital.pt falou com José Nuno Pereira, Presidente da Associação de Beneficiários do Perímetro de Rega de Veiros, que começou por dizer que ao longo destes 10 anos de existência “os desafios foram vários, saem à memoria dois, a falta de água e a falta de dinheiro, de resto havia tudo, havia o desafio da vontade, da força, da coragem e esses desafios foram fáceis de ultrapassar, o pior foi mesmo a falta de água e falta de dinheiro.”

Questionado sobre que balanço fazia a esta primeira década, José Nuno Pereira referiu que “é um balanço bastante positivo, conseguimos dentro das alturas necessárias atingir os nosso objectivos, com várias dificuldades pelo caminho. Estipulamos datas e metas, conseguimos atingi-las, ultrapassamo-las e temos estado a superar a nós próprios.”

Já sobre o facto desta associação ser considerada um exemplo, o seu presidente afirma que “sim, até porque temos tido a honra de virem associações do norte do pais a visitarem-nos, a tentarem copiar o nosso método de gestão e método de trabalho, portanto para nós é reconfortante, quando alguém vem tentar aprender connosco, numa casa recentemente criada.”

Sobre os desafios para os próximos anos, José Pereira salientar que será a “a falta de água é o principal desafio, que não conseguimos controlar, tudo o resto e com a vontade que tem vindo a ser posta no trabalho, penso que o resto é ultrapassável facilmente”, acrescentando que “esta barragem aguarda mais uma vez pelo primeiro enchimento, esperamos que seja este ano concretizado.”