Vila Viçosa: “Com todas as regras de segurança, é possível manter uma vida cultural”, diz Dir. do Paço Ducal (c/som e fotos)

Concerto na Igreja dos Agostinhos em Vila Viçosa

Museu Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança continua com a sua atividade cultural, tendo promovido, este sábado, mais um concerto na Igreja dos Agostinhos, em Vila Viçosa.

Tratou-se de um recital de Música de Câmara – Canto e Guitarra, a cargo de Cátia Moreno (mezzo-soprano) e Tiago da Neta (guitarra).

Um evento que contou com uma boa afluência de público e onde foram respeitadas toda as medidas de segurança sanitária.

ODigital.pt Falou com Maria de Jesus Monge, Diretora do Museu-Biblioteca da Fundação da Casa de Bragança, que começou por dizer que apesar da pandemia “felizmente temos conseguido manter aquilo que tem sido previsto ao longo do ano, com exceção naturalmente dos meses até junho, mas a partir daí, temos conseguido manter aquilo que está previsto”.

Maria de Jesus Monge acredita que “apesar de, naturalmente, termos que cumprir as normas e portanto ser um número bem menor do que aqueles que naturalmente em condições normais viriam, está a correr bem porque aquilo que, enquanto instituição de cultura, nós queremos passar a todos aqueles que nos procuram e a todos aqueles que estão a pensar se conseguem ou se é seguro, é passar a mensagem de que é possível manter com todas as regras de segurança com distanciamento etc, é possível manter uma vida cultural e eu diria mesmo que, mais do que nunca, é necessário para a nossa sanidade mental continuarmos a poder usufruir daquilo que a cultura nos traz de melhor, seja a nível da música que é o caso dos concertos que temos estado a procurar trazer, como dos outros através da visita aos espaços”.

A partir de agora os concertos regressam à Capela do Paço Ducal em que “é necessário marcar lugar, como no último em que tivemos mais candidatos a participar do que efetivamente foi possível acolher na Capela, Capela normalmente tem uma lotação que vai dos 100 a 120 lugares e agora estamos nos 40 e portanto é mesmo necessário fazer a marcação prévia via para assegurar que há lugar media do concerto”, referiu a Diretora do Museu-Biblioteca.

Questionada se com a procura do interior, se tem havido um acréscimo da procura a este tipo de concertos, Maria de Jesus Monge, refere que “acréscimo talvez não, mas conseguimos manter os números, até porque, como muitos que têm participado sabem, tínhamos tradicionalmente o número de espanhóis muito grande e naturalmente eles não têm estado a aparecer por razões mais do que naturais, no primeiro momento não podiam mesmo com fronteira fechada e agora também não conseguimos ainda um equilíbrio que permita provavelmente reatar hábitos tradicionais”, ainda assim acrescenta que “o mês de Agosto foi um bom mês de fluxo de visitantes e o afluxo também”.

Conclui revelando que para além dos concertos vai haver “outro tipo de atividade por exemplo apresentação de livros, que haverá em outubro, faremos a apresentação de mais um livro, mas temos que optar por fórmulas mistas, ou seja, utilizar a forma presencial claro, mas conjugada com o online que cada vez mais é uma alternativa.”

Fique de seguida com algumas imagens deste concerto, numa reportagem de Hugo Calado: