Autarcas de Alandroal, Portel e Viana do Alentejo destacam o apoio na aquisição de medicamentos, com a adesão ao programa “Abem” (c/som e fotos)

As autarquias de Alandroal, Portel e Viana do Alentejo assinaram num protocolo de cooperação com a Associação Dignitude, a adesão ao programa “Abem”, tendo a cerimónia ocorrido no Auditório da Câmara Municipal de Alandroal, esta terça-feira (24 de Setembro).

Um programa que tem por objetivo garantir o acesso ao medicamento, em ambulatório, por parte de qualquer cidadão que, em Portugal, se encontre numa situação de carência económica e que seja portador de receita médica. A sua operacionalização está alicerçada na capacidade e logística da rede das Farmácias Portuguesas.

ODigital.pt esteve presente nesta cerimónia de assinatura e falou com João Grilo, Presidente da Câmara Municipal de Alandroal, que começou por explicar que a “principal vantagem deste programa é que vem preencher uma lacuna que existe para pessoas que têm dificuldades económicas, temporária ou numa duração mais duradoura, e que são de todas as idades”, acrescentando que assim “podemos ter famílias com crianças que por alguma razão não têm acesso aos medicamentos e por isso deixam de os comprar, não têm meios suficientes para isso, e o programa preenche esse espaço. Por exemplo, os idosos com os programas que existem hoje do Ministério da Saúde, da Segurança Social e da autarquia estão cobertos. Nós temos no Alandroal um programa de apoio a desfavorecidos que foi criado em 2010, portanto na altura em que a crise se intensificou e as famílias ficaram desprotegidas, e nessa altura criámos um programa de apoio que tentava chegar a algumas pessoas no apoio ao arrendamento, bens alimentares de primeira necessidade que são mais caros e difíceis de encontrar como pro exemplo a carne, peixe, frutas, legumes, continuamos hoje a dar esse apoio, a dar senhas que as pessoas podem trocar no comércio local apenas por este tipo de bens e continuamos a dar apoio no arrendamento.”

O autarca alandroalense refere que é esse universo de pessoas que “precisa destas medidas é o mesmo que precisa de apoio nos medicamentos e nós vamos fazê-lo quase de forma automática e portanto vão beneficiar disso. Portanto é um programa que vem ajudar um universo de pessoas no Alandroal, neste momento serão cerca de 60 a 70 pessoas, mas que continua a ser um número significativo e que assim têm mais este apoio e no futuro têm mais qualidade de vida. O protocolo prevê que o município entregue, por ano, 100 euros a cada utente e cada utente passa a ter acesso gratuito a todos os medicamentos de que precisa e portanto com um investimento de 5/6 mil euros anual fazemos com que um grupo de pessoas alargado passe a não ter de contar o dinheiro para comprar os medicamentos ou deixe de os comprar por não ter dinheiro para isso.”

Questionado sobre como serão sinalizadas as pessoas a beneficiar deste apoio, João Grilo salienta que será “através do regulamento que já existe, portanto elas no fundo já estão sinalizadas, como já usufruem das outras medidas, encaixam perfeitamente. O regulamento é muito rigoroso nesse aspecto. Portanto têm de se fazer a contagem dos recursos e portanto será praticamente automático.”

Por sua vez, José Manuel Grilo, Presidente da Câmara Municipal de Portel refere que este protocolo agora assinado “vai ser um complemento ao nosso Cartão Idoso, que é para os idosos, embora aqui abranja as famílias em si, e julgo que vai ajudar muitos no seu orçamento famílias. Julgo que muitas vezes sabemos que estas famílias não compram os medicamentos por falta de dinheiro e julgo que vai ser uma medida boa para o concelho de Portel, em colaboração com as farmácias do concelho, essas farmácias já são aderentes deste programa ‘A Bem’, que agora o município de Portel assinou. Julgo que seria bom no futuro não haver ninguém que fosse abrangido porque era bom sinal mas aqueles que usufruírem espero que os ajude na área da saúde, principalmente na aquisição de medicamentos.”

Questionado sobre se já existe uma estimativa de quantas pessoas vão ser abrangidas, o autarca refere que “neste momento com a assinatura do protocolo é que vamos tentar, com os nossos serviços, temos alguns elementos sobre os idosos, mas não no âmbito do agregado familiar que é o que isto abrange. Vamos ver… Os municípios comparticipam, em média anual, 100 euros para a Dignitude e toda a restante parte é assegurada pela própria associação Dignitude que faz recolhas de fundos para isso e tem um fundo especial para esse apoio. Espero que traga resultados em prol das famílias mais carenciadas aqui do nosso interior alentejano.”

Bengalinha Pinto, Presidente da Câmara de Viana do Alentejo, salienta que o seu município “já tem vários instrumentos de apoio social, mas na área dos medicamentos ainda não tínhamos nada. Estávamos a trabalhar num regulamento novo para implementar no início do próximo ano. Entretanto, fomos contactados pela Dignitude, achámos o projecto interessante e aderimos. O que nós pretendemos é apoiar as famílias mais carenciadas, principalmente ainda neste momento difícil e em última análise, como referi, melhorar a qualidade de vida dos nossos munícipes.

Questionado também sobre o número de pessoas a abranger por este programa, o autarca refere que “vamos agora trabalhar no terreno. Depois há que ver orçamentos disponíveis, número de pessoas que possamos ou não abranger, mas o que pretendemos é, progressivamente, ir abrangendo cada vez maior número de pessoas.”

Bengalinha Pinto concluiu que “as pessoas abrangidas por este projecto têm uma comparticipação do município de 100 euros e o resto da facturação de cada pessoa é suportada pela Associação Dignitude. Para os beneficiários é uma excelente opção.”